Ácidos na minha pele

A utilização de ácidos em estética remonta à antiguidade. Os lendários banhos de Cleópatra em leite de burra sugerem o conhecimento dos benefícios do ácido láctico na pele, no período do antigo egipto.

Mas afinal qual é a função de um peeling químico? Genericamente, podemos dizer que os peelings promovem uma esfoliação química da pele, promovendo assim a sua renovação.

O peeling com ácido é uma esfoliação química da pele. De acordo com a profundidade classificamos os peelings em superficiais, médios ou profundos. A profundidade do peeling aplicado é deteminada pelo ácido escolhido, pela concentração, o pH, formulação e protocolo de aplicação.

Os ácidos para peeling podem ser encontrados em produtos dermocosméticos para uso caseiro, em gabinete estético e também em consultórios.

Para que se possa familiarizar com alguns dos ácidos mais utilizados em peelings, deixo aqui o meu top 10 por ordem alfabética.

A minha seleção de Ácidos

1. Ácido Azelaico

Trata-se de uma substância natural encontrada no trigo, centeio e cevada. A sua composição é muito suave, sendo geralmente bem tolerado até pelas peles mais sensíveis. Este ingrediente tem propriedades anti-inflamatórias, antibacterianas e antioxidantes.

Está indicado para o tratamento de várias condições da pele, tais como o tratamento da rosácea, manchas como o melasma e até acne. O ácido azelaico é eficaz na redução da vermelhidão e lesões inflamatórias, impede o espessamento excessivo da pele. O seu uso contínuo melhora a textura da pele, bem como o conjunto da sua tripla ação (anti-inflamatória, antibacteriana e antioxidante) reduz o envelhecimento precoce.

Pode ser encontrado em diversas fórmulas topicas disponíveis na Farmácia en cosméticos bem como peelings profissionais.

2. Fenol

O Fenol é usado em peelings profundos. A sua origem está no coaltar que por sua vez é obtido a partir do tratamento do carvão. Dependendo da formulação e concentração utilizadas é um dos peelings mais intensos e deve ser manuseado apenas por profissionais especificamente treinados neste tipo de peeling. A sua utilização no Tratamento de manchas, rugas, cicatrizes, queratoses e lentigos é interessante. Dependendo do protocolo usado, o tempo de recuperação com restrição social é significativo, bem como a necessidade de cuidados pós tratamento. O peeling de fenol tem algumas contra indicações relacionadas com a sua toxicidade sistémica que requerem avalição clínica prévia. Algumas das contra indicações incluem doença renal e cardíaca, exposição contínua aos UV e predisposição a quelóides.

Os peeling de fenol, embora extremamente eficazes, comportam riscos como hiperpigmentação e cicatrizes hipertróficas.

3. Ácido Glicólico

O ácido glicólico é um dos ácidos mais usados para peeling, tanto em produtos de dermocosmetica, bem como de consultório.

De acordo com o pH e concentração, pode ter uma ação mais ou menos profunda. O pequeno tamanho desta molécula explica a sua elavada capacidade de penetração na pele.

A sua origem natural está na cana de açúcar. As suas características proporcionam um efeito esfoliante, hidratante, clareador e rejuvenescedor. O seu efeito esfoliante estimula a produção natural do colagénio.

Tem indicação no tratamento dos sinais de envelhecimento, do melasma, das hiperpigmentação pós inflamatórias e até no tratamento complementar de estrias.

Sendo geralmente bem tolerado, as peles mais sensíveis a este ácido podem requer fórmulas com concentrações mais baixas ou a substituição por outros ácidos quando houver indicação para peeling.

4. Ácido Láctico

Este ácido é encontrado em lácteos e também é produzido naturalmente pelo nosso organismo, especialmente durante o exercício físico. Está normalmente associado a protocolos de peelings superficiais.

Se tem pele seca ou sensível este poderá ser o ácido indicado para si.

Para além do efeito sobre a renovação celular, potencia a hidratação da pele, melhorando consideravelmente  o aspeto da pele, conferindo-lhe suavidade e luminosidade. Tendencialmente é tolerado pela maioria das pessoas, pois estamos a falar de um dos ácidos mais suaves. É também um complemento interessante no tratamento das primeiras rugas. Ao atuar na camada mais profunda da derme, estimula a produção natural de colagénio e elastina.

5. Ácido Mandélico:

Este é um dos ácidos menos conhecidos, mas muito interessante na realização de peelings. Pode ser naturalmente obtido a partir de diversas frutas. É usualmente mais bem tolerado do que outros ácidos, particularmente o glicólico. É assim ideal para pessoas com pele sensível, seca e intolerante a outros ácidos como o glicólico. Os seus maiores benefícios são a hidratação profunda, a renovação celular, a esfoliação, o clareamento da hiperpigmentação cutânea e dl melasma.  A sua ação antibacteriana torna-o interessante em protocolos para pele acneia.

6. Ácido Retinóico

Este é provalemente o meu ácido preferido. Derivado da Vitamina A, tem indicação para uma enorme diversidade de indicações: manchas, acne, rugas, alterações de superfície como cicatrizes e outras irregularidades. O ácido retinóico acelera o processo de renovação cutânea, melhora a produção de colagénio e regula a produção de gordura pela pela. Tem resultados extraordinários em protocolos de tratamento para recuperação do fotoenvelhecimento.

7. Ácido Pirúvico

Este ácido é indicado para tratar o envelhecimento causado por fatores externos, acne e cicatrizes superficiais. Apresenta bons resultados na redução do grau de pigmentação em casos de melasma e aumenta significativamente a elasticidade da pele. Atenua também as rugas mais subtis, hidrata profundamente a pele e ajuda a revitalizar a função das glândulas sebáceas: produção de sebo, uma substância lipídica que evita o ressecar da pele e a perda excessiva de água. Ajuda também no tratamento de lesões provocadas pela acne ou outras cicatrizes menos evidentes.

8. Ácido Salicílico

O ácido salicílico pode ser naturalmente obtido a partir do salgueiro. Pode ser usado como um ácido preparatório para a pele, antes de outros ácidos com acção mais profunda. Está indicado para o tratamento do acne e impurezas como pontos negros. Este ativo promove uma esfoliação suave, melhora a textura da pele e pode ser um auxiliar no controlo da acne. O peeling com ácido salicílico é um dos procedimentos mais recomendados para pacientes com pele oleosa e com tendência a acne. É util na prevenção da formação de novas lesões e regula a produção de gordura. Mas também está presente em muitos cosméticos como tónicos e hidratantes com indicação neste tipo de peles.

9. Ácido Tranexâmico

O ácido tranexâmico um derivado sintético se um amino ácido a lisina, e é um medicamento usado no controlo de hemorragias. A sua utilização farmacológica levou à descoberta das suas propriedades clareadas das hiperpigmentações em pacientes que tomavam este medicamento. Atualmente a sua popularidade é crescente como ingrediente ativo no tratamento do melasma tanto em formulações para uso caseiro como profissional.

10. Ácido Tricloroacético (TCA)

O TCA é um dos ácidos mais versáteis na realização de peelings. Dependendo da sua concentração e dosagem, pode ser utilizado em peelings superficiais, médios e profundos. A sua utilização é recomendadas para tratar manchas, acne, flacidez e fotoenvelhecimento. Mas é no tratamento da pigmentação e mo anti aging que este ácido apresenta os resultados mais exuberantes.

Cada pessoa é única e a nossa pele prova-nos isso mesmo. Assim, na hora de selecionar um determinado ácido, deve considerar três aspetos essenciais: qual o seu tipo de pele, quais os objetivos pretendidos e, por fim, escolher o ácido indicado para esses objetivos e utilizá-lo com as devidas recomendações.

Até breve!

Partilhar